Há 30 anos era lançado Farda, fardão, camisola de dormir de Jorge Amado

Fábula para acender uma esperança
Romance, 1979 | Posfácio de Eduardo Portella 
     Em 1940, o exército alemão soma vitórias pela Europa. Entre elas, a tomada da cidade de Paris. No Brasil, repressão e tortura são práticas correntes do Estado Novo, regime instituído por Getúlio Vargas em 1937, então ainda simpático ao projeto nazista de Hitler.
     É neste panorama geopolítico internacional e brasileiro que morre, na capital francesa, o poeta romântico e boêmio Antônio Bruno. Com isso, abre-se uma vaga na Academia Brasileira de Letras, fato que vai desencadear uma verdadeira guerra nos meios intelectuais do Rio de Janeiro.
     Estruturado em capítulos breves, como um espirituoso folhetim, Farda, fardão, camisola de dormir faz uso de um humor ferino e do ritmo caudaloso da escrita do autor para, a partir de um caso localizado e particular, abordar assuntos universais e mais abrangentes.
     A acirrada disputa entre os literatos pode ser comparada, com certa licença poética, à guerra travada em terras européias. De um lado, está o coronel Agnaldo Sampaio Pereira, simpatizante do nazismo. Do outro, o general reformado Waldomiro Moreira. A querela prolonga-se por longos quatro meses. Mas os dois candidatos não se equiparam ao estilo e à verve do poeta morto. Tampouco aos princípios humanistas de Bruno. Muito menos ao sucesso que este fazia com as mulheres, como a comunista Maria Manuela.
     Como indica o subtítulo original, Fábula para acender a esperança, a narrativa é uma sátira leve e divertida do conservadorismo político da elite, da hipocrisia das tradições familiares e da vaidade intelectual dos literatos.

Informações: Jorge Amado/ Companhia das Letras

No site http://www.jorgeamado.com.br/ você encontra detalhes da vida e da obra de Jorge Amado.

Anúncios

08/10/2009 at 20:52 Deixe um comentário

EDUNEB divulga Etapas para Publicação de Obras

A política editorial da EDUNEB abrange as publicações de teses e dissertações – desde que sejam encaminhadas em estrutura de livros – de boletins científicos, anais, catálogos, caderno temáticos, obras literárias e culturais e o apoio à cultura popular. Além disso, a editora também apóia obras que envolvam: coleção de livros que dão suporte a graduação e a áreas científicas relacionadas às linhas de pesquisa da pós-graduação. Abaixo estão as etapas pelas quais o autor e sua obra terão que passar até a publicação.

1ª Etapa – Submissão do original ao Conselho Editorial;

2ª Etapa – Quinze dias depois da reunião com o conselho editorial, a EDUNEB entrará em contato com o autor para informar sobre a aprovação ou reprovação do original. Caso sejam sugeridas alterações, o autor será consultado. Na aprovação com restrição, o original será encaminhado para reformulação do autor. O original não será devolvido.

3ª Etapa – Caso a obra seja aprovada, ela entra no processo de produção editorial, que abrange as seguintes etapas: projeto gráfico, revisão lingüística e de normalização, solicitação do ISBN, elaboração de ficha catalográfica, diagramação, editoração, arte final e impressão da capa, miolo e acabamento.

4ª Etapa – Lançamento, divulgação e distribuição da publicação. A Editora estará em cada uma das etapas em permanente diálogo com o autor. A obra somente irá para impressão após a aprovação do autor.

07/10/2009 at 20:47 Deixe um comentário

Editora UEPG lança dois títulos

Editora UEPG lança dois títulos A Editora da Universidade Estadual de Ponta Grossa divulga lançamento de dois novos livros: A formação do profissional educador ambiental: reflexões, possibilidades e constatações, de Angélica Góis Morales, discute como as universidades estão incorporando a dimensão socioambiental, como, no contexto brasileiro, se configura a educação ambiental nos cursos de pós-graduação e se existem profissionais com formação adequada para trabalhar com este tipo de educação. Desta maneira, o livro possibilita analisar os contextos de formação profissional na área dentro do ambiente acadêmico.

Foucault com outros nomes: lugares de enunciação, organizado por Pedro de Souza e Daniel de Oliveira Gomes, estabelece interlocuções de Foucault e “outros Foucaults”: Blanchot, Lacan, Lakoff, Ana C. César, Courtine, Vargas, Bush, Simondon, Freud, Nietzsche, Link, Beckett… Transita da problemática da linguagem à ética, da literatura à biopolítica, da sublimação do corpo à sua profanação, das práticas de poder à psicanálise, da proliferação da voz à arte da multiplicidade foucaultiana.

Visite o site: www.uepg.br/editora

Informações: Abeu em Rede

05/10/2009 at 20:43 Deixe um comentário

Para que não pôde estar na Bienal do RJ 2009

Para aqueles que não poderam estar presentes na Bienal do Rio de Janeiro 2009, que aconteceu no Riocentro entre os dias 10 de 20 de setembro, segue abaixo alguns vídeos postados pelas pessoas que foram até lá e registraram o evento.

04/10/2009 at 17:50 Deixe um comentário

Pausa nas postagens

O Blog Eduneb ficou fora do ar por alguns dias, mas já estamos de volta com força máxima e novidades do mundo da leitura.

03/10/2009 at 17:45 Deixe um comentário

EdUFSCar lança dois livros sobre política


Editora da Universidade Federal de São Carlos (EdUFSCar) apresenta:

1) O Partido dos Trabalhadores e a política brasileira (1980-2006): Considerado no início dos anos 1980 uma inovação na política brasileira, o Partido dos Trabalhadores (PT) é hoje, às vésperas de completar trinta anos de fundação, uma das mais importantes legendas do país. As mudanças no modelo organizativo petista, a atuação de suas correntes internas, a relação do partido com o Estado e a sociedade civil, as propostas implementadas pela legenda em suas administrações, sua atividade na Câmara dos Deputados, as campanhas presidenciais das quais o PT participou e as transformações político-ideológicas da legenda são algumas questões debatidas neste livro, organizado por Vitor Amorim de Angelo e Marco Antonio Villa.

2) Análise do discurso político: o discurso comunista endereçado aos cristãos: neste livro, Jean-Jacques Courtine trabalha a articulação entre a língua e a história. O tratamento de enunciados do discurso comunista de aliança endereçado aos cristãos permitiu ao autor forjar conceitos capitais para a Análise do discurso, como os de “enunciado dividido” e de “memória discursiva”. A partir das reflexões e análises de Courtine, o leitor constatará que, na língua e na história, a fala cristã apresentou-se em diferentes contextos, como discurso de polêmica e de contrato para a própria constituição do discurso comunista. Atenta à contradição constitutiva dos discursos, a obra de Courtine faz convergir a teoria do discurso com os postulados da arqueologia de Michel Foucault e demonstra que as formações discursivas são frequentadas pela alteridade.

Informações Abeu em Rede

28/09/2009 at 16:03 Deixe um comentário

Posts antigos Posts mais recentes


junho 2019
S T Q Q S S D
« dez    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Arquivos

Twitter EDUNEB

Os posts mais lidos